terça-feira, 7 de abril de 2015

BOA SEMANA


FOTOGUIA:10 lugares para visitar antes que desapareçam

1 – Maldivas

Constituída por 1.196 ilhas, a República das Maldivas também está correndo o risco de desaparecer. Isso porque o país insular conta com uma elevação média de apenas 1,5 metro — o que o torna a nação mais baixa do mundo com respeito ao nível do mar —, e existe uma grande preocupação de que, com a elevação das águas dos oceanos, as Maldivas sejam submergidas e os maldivos se tornem refugiados climáticos.

2 – Parque Nacional Glacier

Na verdade, o Parque Nacional Glacier em si — localizado em Montana, na fronteira entre os EUA e o Canadá — não corre o risco de sumir da face da Terra, mas sim os glaciares que dão nome ao local. 

3 – Monte Kilimanjaro

Assim como o Parque Nacional Glacier no item anterior, o Monte Kilimanjaro não está prestes a desaparecer, mas sim uma de suas características mais marcantes: a neve que cobre seu cume. Localizado na Tanzânia, o Kilimanjaro é o ponto mais alto da África.

4 – Mar Morto

Se as Maldivas correspondem ao país com a elevação mais baixa, quem leva o título de maior desnível negativo com respeito ao nível do mar é o Mar Morto. Apesar de ser o lago hipersalino mais profundo do mundo e um dos corpos hídricos com mais sal da Terra, desde a década de 50, o Mar Morto foi reduzido para quase a metade de seu tamanho e atualmente vem diminuindo a um ritmo de um metro por ano.

5 – Tieqa Zerqa

Também conhecido como “Janela Azure”, o belíssimo arco de calcário da imagem acima se encontra em Gozo, a segunda maior ilha do arquipélago de Malta. No entanto, se você quer ter o privilégio de ver essa estrutura natural de perto, é bom começar a se organizar, pois levantamentos geológicos apontaram que ela está ruindo e pode desabar completamente no período de apenas poucos anos.

6 – Pravcická brána

Outro arco que pode desmoronar é o Pravcická brána, localizado na República Tcheca. Feita de arenito, essa formação geológica se situa no noroeste do país, e o trânsito de turistas sobre ela só foi proibido no início da década de 80. No entanto, o dano já estava feito e foi registrado que a parte superior do Pravcická brána perdeu 80 centímetros devido à erosão. O pior é que estudos recentes sugerem que, se o processo continuar, o arco pode ruir em poucas décadas.

7 – Ko Tapu

Ko Tapu é o nome da rocha da imagem acima, com cerca de 20 metros de altura e 4 de diâmetro próximo ao nível do mar e 8 metros no topo. Ela se situa na Baía de Phang Nga, na Tailândia, e levantamentos apontaram que a formação pode entrar em colapso em breve devido à instabilidade do solo na área onde ela se encontra.

8 – Os Doze Apóstolos

Os Doze Apóstolos são vários pilares de calcário localizados na costa do Parque Nacional de Port Campbell, na Austrália. No entanto, apesar do nome, a verdade é que restam apenas sete “apóstolos” de pé, já que as ondas do mar vão erodindo as bases das rochas, eventualmente provocando seu colapso. O ritmo de erosão atual é de aproximadamente 2 centímetros por ano, portanto, se você quiser ver algum apóstolo, é melhor se apressar.

9 – Glaciar Franz Josef

Situado no Parque Nacional Westland, na Nova Zelândia, o glaciar Franz Josef atrai 250 mil visitantes ao ano e atualmente conta com mais de 10 quilômetros de comprimento. Contudo, apesar de ter passado por períodos de avanço e retrocesso ao longo de sua existência, essa formação seguia em expansão até 2008, quando entrou em uma fase de rápido recuo — e algumas estimativas sugerem que o glaciar pode desaparecer dentro de 100 anos.

10 – Portas do Inferno

Conhecido como Portas do Inferno, o incrível local da imagem acima fica no Turcomenistão e se formou após o colapso de uma caverna subterrânea repleta de gás natural. Para evitar que o material escapasse e pudesse afetar a população dos vilarejos próximos, os geólogos que descobriram essa formação decidiram atear fogo na cratera, sendo que ela está queimando há mais de 40 anos.
Entretanto, apesar de ninguém saber dizer exatamente quanto o combustível vai durar, não existem dúvidas de que um dia a reserva de gás vai terminar — e as chamas das Portas do Inferno finalmente se apagarão.

Dose de fofura: Conheça Purin, o cãozinho goleiro mais concentrado do mundo [vídeo]










Animais de estimação têm o poder de nos tirar o stress, de nos fazer bem, de alegrar o nosso dia. Alguém que tenha um bichinho em casa dificilmente se sentirá triste, de mau humor ou depressivo. Seja um cachorro, gato, pássaro, peixe, coelho ou qualquer espécie, eles sempre transmitem a alegria necessária para nos fazer sorrir.Queremos apresentar para você o Purin, um adorável beagle que é um goleiro e tanto. Na frente da trave, de uniforme e tudo mais, o cãozinho pega (quase) todas! E haja concentração! Depois da prática esportiva, ele ajuda o seu dono — ou seria treinador? — a pegar as bolas, colocando todas elas em um cesto. É assim que se faz!


Vambora :Especial MELHORES DESTINOS DE ECOTURISMO DO BRASIL


Parques e cachoeiras, dunas e lagoas, trekkings e futuações. Os melhores lugares para se aventurar e curtir paisagens surreais. Prepare a sua mochila e pegue a estrada para curtir um país bonito por natureza!

          
         Vambora- FLORIANÓPOLIS
                                 carinhosamente ''floripa''
                                
Mole é a vida na Praia Mole (e também na bem mais calma vizinha Galheta), em Florianópolis, Santa Catarina
Mole é a vida na Praia Mole (e também na bem mais calma vizinha Galheta), em Florianópolis.


  1. ''Florianópolis é a capital do estado brasileiro de Santa Catarina, na região sul do país. O município é composto pela ilha principal, a ilha de Santa Catarina, a parte continental e algumas pequenas ilhas circundantes''. (Wikipédia) 

Cartões-postais, a Ponte Hercílio Luz, as fortalezas que cercam o território e as vilas açorianas de Santo Antônio de Lisboa e Ribeirão da Ilha, além das construções do Centro Histórico, remetem ao passado de Floripa – desde os tempos em que a ilha era chamada de Vila de Nossa Senhora do Desterro, no século 18. A beleza desses resquícios, hoje, divide lugar com shoppings, prédios e até congestionamentos dignos de nota. Uma dica para aproveitar melhor a cidade: escolha bem o endereço onde se hospedar, as distâncias são longas e os bairros têm perfis diversos de público.Jurerê recebe os jovens endinheirados que buscam agito nos clubes de praia; Joaquina e Mole são endereços dos surfistas; a Lagoa da Conceição é destino de quem gosta de se exercitar;Canasvieiras e demais praias do norte atraem famílias; e, ao sul, o litoral é bom para quem busca sossego e contato com a natureza.




GENTE
O apelido de Ilha da Magia muito se deve a Franklin Cascaes (1908-1983). Artista plástico, escritor e professor, dedicou-se a documentar a tradição oral da ilha, com histórias contadas por pescadores e roceiros, que juravam haver bruxas dos Açores povoando a região.
Urbanizada e movimentada, a Praia da Barra da Lagoa tem bares e restaurantes populares e um importante núcleo pesqueiro.
É TUDO VERDADE

No verão, os congestionamentos são certos – concentre-se em um bairro e evite longas distâncias, pois vários trajetos têm pista simples. No restante do ano, as vias que vão do Centro às regiões norte e sul ficam carregadas nos horários de pico da manhã e da tarde.
Em uma vila de pescadores, a Praia da Armação é movimentada no trecho central e fica tranquila à esquerda, território de surfistas
Em uma vila de pescadores, a Praia da Armação é movimentada no trecho central e fica tranquila à esquerda, território de surfistas.
Moçambique, Florianópolis
Parte da Reserva Florestal do Rio Vermelho, a praia de Moçambique tem a faixa de areia mais extensa de Florianópolis, com extensão de 7,5 quilômetros.
Museu Histórico de Santa Catarina.
Florianópolis - Santa CatarinaFlorianópolis - Santa Catarina
Ilha do Campeche.
COMO CHEGAR
Quem vem de carro e parte de Curitiba chega a Florianópolis pela BR-101, duplicada e em bom estado de conservação. De Porto Alegre, o acesso é pela mesma rodovia, mas há trechos em obras e os congestionamentos são constantes. De avião, desembarca-se no Aeroporto Internacional Hercílio Luz, no sul da ilha, e segue-se para o Centro de táxi (a corrida custa, em média, R$ 40), de ônibus executivo (R$ 4,50) ou circular (R$ 2,90). O Terminal Rodoviário Rita Maria fica no Centro, perto do principal terminal de linhas urbanas – dali é fácil seguir para qualquer bairro da cidade.
COMO CIRCULAR

A distância entre uma ponta e outra da ilha é grande. Do Centro ao extremo norte, em Ponta das Canas, são 32 km e, até o sul, em Caieira da Barra do Sul, 40 km. O melhor, portanto, é circular de carro e estar preparado para o tráfego intenso no verão, principalmente nas cercanias da Lagoa da Conceição. Recorrer aos ônibus é uma boa alternativa: há várias linhas e o cartão Passe Rápido Turista custa R$ 3 (carga mínima inicial de R$ 7) e permite integração.
NO INVERNO
O Morro do Cambirela, em Palhoça, cidade vizinha à capital catarinense.
QUANDO IR
O verão, com temperaturas entre 25°C e 30°C, traz congestionamentos. A partir de abril, praias ao norte, como Brava e Canasvieiras, esvaziam-se e o comércio fecha. Entre maio e junho, as águas esfriam e há Pesca da Tainha. Em outubro, ocorre a Fenaostra.
Porção de ostras, mariscos e camarões, do Box 32, no Mercado Municipal de FlorianópolisPorção de ostras, mariscos e camarões, do Box 32, no Mercado Municipal de Florianópolis.
Ponte Hercílio Luz, em Florianópolis, Santa CatarinaPonte Hercílio Luz, em Florianópolis, Santa Catarina.
Santo Antonio de Lisboa, FlorianópolisEntardecer em Santo Antonio de Lisboa, Florianópolis.
O stand-up paddle, moda de verão no litoral brasileiro – e também na Praia do Campeche, em Florianópolis, em Santa Catarina
















O stand-up paddle, moda de verão no litoral brasileiro – e também na Praia do Campeche, em Florianópolis.


FONTE:Florianópolis - Santa Catarina - Brasil
IMAGENS DO GOOGLE IMAGEM E DO SITE ACIMA